Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário do Ano C-19

Diário do Ano C-19

23
Mai20

Aviões em terra

João Miguel Almeida

20200523_110458.jpg

Tenho aproveitado uma parte das manhãs destes solarengos dias de desconfinamento para passear na Alta de Lisboa, com vista para o aeroporto da Portela. Nos meus passeios, é raro ver um avião a aterrar ou a levantar voo.

“Gaivotas em terra, tempestade no mar”, é um ditado português.

Os aviões em terra são uma imagem da tempestade interior em que vivemos, das limitações físicas impostas pela pandemia.

Fomos, literalmente, levados a pôr mais os “pés na terra”, outra expressão portuguesa, que apela a que prestemos mais atenção ao mundo que nos rodeia.

Mas ainda não é claro se a imagem dos aviões em terra nos abre as portas para um mundo mais consciente e responsável ou para uma tempestade de potencial destrutivo inimaginável.

É possível que, além de nos tornarmos capazes de dar uma resposta de saúde pública à altura da pandemia, nos tornemos mais consciente de que pandemias deste tipo são potenciadas pela destruição de habitats naturais. E que a prevenção de novos surtos de epidemias de vírus que passam de animais selvagens para seres humanos implica a preservação dos habitats naturais; a promoção de práticas económicas sustentáveis; a educação e novas oportunidades de trabalho às populações que vivem na fronteira com habitats naturais.

Também é possível que nos deixemos intoxicar por teorias da conspiração e pela guerra entre os Estados Unidos e a China. Além da “guerra” contra o SARS-CoV-2 há muitas outras guerras políticas e económicas em curso.

Ainda melhor do que termos mais aviões no ar é termos mais os pés na terra.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D